Palavras de um Amigo

Palavras de um Amigo

“Todos os dias há um problema. Todos os dias há uma angústia. Todos os dias há uma necessidade acrescida. E essa reconstrução ou reinvenção de afectos foi aquilo que explica realmente o modo tão virado para o futuro, mais do que para a celebração do passado, do que se passou aqui hoje”. Foram estas as palavras que deram início à sessão de encerramento do congresso “20 Anos a (re)construir afectos”, pela voz do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa.
Amigo de longa data e simpatizante da nossa causa, recordou-nos o porquê de existirmos: “Dignificar a maternidade e olhar para a criança e para o seu papel na sociedade portuguesa”.

Voltando atrás no tempo, há 20 anos um grupo de amigos fundou a Ajuda de Berço. Poderiam ter ficado pela ideia, mas confiantes de que juntos conseguiriam fazer a diferença na vida de várias crianças, puseram mãos à Obra. Salientou a coragem que muitas instituições, na altura da sua fundação, tiveram para avançar com a sua Missão sem contar com o apoio do Estado.
Nesse sentido, entram as peças chave que alimentam uma instituição, segundo o Presidente: voluntários, doadores e todos os que nela trabalham. “Nós Portugueses, quando nos envolvemos somos muito bons!”
Sem os voluntários não seria possível termos chegado a 20 anos de existência. Nem poderíamos confiar que chegaremos a 30 anos de existência, depois 40 até sermos eternos. Por sua vez vêm os doadores, destacando aqueles que estiveram presentes neste grande dia. A importância do que é a cidadania activa e no que isso se traduz: “acreditar e apoiar as crianças que de outra maneira não teriam encontrado quem delas cuidasse.” E por fim, as várias equipas que trabalham em conjunto para delinear o futuro das crianças que acolhemos.

A pensar no futuro, a Ajuda de Berço apresentou oficialmente o projecto de construção de uma nova casa, que poderão ler mais abaixo nesta newsletter. “A Ajuda de Berço comemorou 20 anos. E comemorou da melhor forma: mostrando-nos a casa para as próximas décadas. Uma casa que não é um sonho irrealizável. Metade do sonho já é uma realidade. Falta a outra metade, que tem de ser concretizada, se não a casa fica incompleta e imperfeita. O objectivo da Ajuda de Berço é almejar atingir a perfeição”.

O dia 10 de janeiro ficará para a história desta instituição como um momento de partilhar de toda a experiência ao longo destes 20 anos, e também a importância de receber ensinamentos e magistérios de todos os oradores e prelectores que nos preparam de certa forma para os desafios que o futuro nos trará. Desafios esses “que serão imensos! A luta continua, enquanto houver crianças, necessidades, enquanto houver estas situações dramáticas, maternidade necessitada de um acolhimento especial, um acento tónico no reconstruir um afecto, há razão de ser para instituição como a Ajuda de Berço.”

Para encerrar o seu discurso o Presidente deixou palavras de esperança: ‘’Não há 2 crianças iguais. Também há rostos inesquecíveis dos que deram vida a esta Obra. Quando agradeço à Ajuda de Berço não agradeço à instituição, mas sim a cada um daqueles que pôs de pé esta instituição. Gostaria eu que houvesse muitas mais Ajudas de Berço, mas o haver esta, já é em si mesmo notável. A minha presença aqui, eu estaria sempre, independentemente de ser Presidente da República como estive há 20 anos e não o era. O estar aqui como Presidente da República é para vos dizer que o Estado português vos agradece. Agradece estes 20 anos, mas exige mais, exige mais 20 anos, e mais 20 anos. E façam a transição geracional. E passem o testemunho para gente mais nova como aquela que aqui está. E para outros e para outras. Portugal agradece. Muito obrigado.”