Palavras de um Amigo

Palavras de um Amigo

“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a constroem.”

Esta passagem, do salmo 127, foi gravada na primeira pedra da construção da nova casa da Ajuda de Berço.

Ela lembra-nos que tudo na nossa vida deve começar em Deus e em Deus terminar. Diz-nos também que, para quem tem fé, o Senhor vai construindo a casa da nossa vida e que sem Ele dentro, não passa de uma construção bonita mas sem corpo.

Isto acontece na vida das pessoas e na vida das instituições; isto aconteceu há vinte anos atrás quando a Ajuda de Berço iniciava o seu bem-fazer, acolhendo e protegendo aquelas a quem a vida não sorria e não trazia felicidade.

Ao longo destes vinte anos, não é só a Ajuda de Berço que sente que o Senhor vai edificando a casa; ao longo destes vinte anos, as crianças que acolhemos e acompanhamos sentem que esta casa, abençoada e protegida por Deus, é o refúgio e o conforto que precisam.

Benzer a primeira pedra no início de uma construção é entregar a Deus o projecto físico mas também o espiritual; é querer que Deus seja o arquitecto e o construtor; é pedir a Deus que seja a pedra fundante e fundamental desta sua obra da qual nós somos os colaboradores.

Todos colaboradores da obra de Deus que é o alicerce de tudo quanto somos e fazemos porque, como diz São Paulo: em Deus vivemos, nos movemos e existimos.

Benzer a primeira pedra no contexto do vigésimo aniversário da Ajuda de Berço é dizer sim a Deus, que pode contar connosco e que nos comprometemos a ser pedra forte e abrigo seguro para as crianças que acolhemos.

Benzer a primeira pedra de uma casa tão especial é pedir a Deus que nos dê força e coragem para continuarmos a acolher aquelas crianças que além da já difícil situação de vida, sentem também a fragilidade da doença e do sofrimento.

Sim, meus caros amigos, precisamos que Deus seja a nossa primeira pedra, precisamos que Deus nos abençoe no princípio e leve a bom termo a Sua obra, precisamos que Deus seja o construtor das nossas vidas, das vidas das crianças que acolhemos mas, sobretudo, precisamos que Deus proteja a Ajuda de Berço, inspirando-a sempre com palavras e gestos cheios da ternura e da misericórdia de Deus.

Frei Filipe