Editorial

Editorial

A Alegria no acolhimento residencial de crianças
A alegria é para as crianças um Dom inato, e as que acolhemos na Ajuda de Berço não são excepção. Apesar dos pesares das suas vidas, desfrutam dos momentos alegres que os cuidadores vão proporcionando ao longo do ano.

Nesta altura, a natureza dá-nos a oportunidade de desfrutar mais do tempo no exterior, onde as idas à praia são motivo de grande alegria e ao mesmo tempo trazem tranquilidade para sarar as feridas que as crianças carregam nas suas vidas. Através de experiências enriquecedoras e criação de memórias alegres, estamos a torna-las mais resilientes, felizes e seguras.

Desde o início deste ano foram admitidas várias crianças vítimas dos mais variados traumas que trazem como sinais olhares doces mas tristes, sem saber sorrir com alegria e muita revolta e angústia. Muitos têm recuperado e hoje, conseguem já sorrir, brincar e até torcer pela nossa Seleção e gritar com alegria, Viva Portugal!

Tudo isto resulta para nós, adultos cuidadores, em verdadeiros momentos de alegria, porque sempre que damos motivos para sorrir a cada uma das crianças que acolhemos nas nossas casas, ganhamos força para nunca desistir de dar alegria em cada encontro que estabelecemos com os nossos meninos e meninas.

Nós adultos temos percebido também que vivemos com as expectativas erradas e com sonhos sem sentido. É aqui que as nossas crianças nos ensinam que para ser alegre e feliz, apenas é preciso ter alguém que nos ame e aceite incondicionalmente, tudo o resto vem por acréscimo.

O importante mesmo é sermos a alegria para alguém.
E as nossas crianças são a alegria da Ajuda de Berço.

Sandra Anastácio